Isabela Nieto, Marcelo Melquíades e Ricardo Martins 19 de maio de 2023

Número de golpes cresce, saiba alguns métodos protetivos

Apesar da grande quantidade de informação e veículos que comunicam sobre golpes com uso indevido de dados pessoais, o número de pessoas e empresas que ainda são afetadas por essas ações não para de crescer. Ações criminosas evoluem a cada dia e geralmente são direcionadas ao público com menos conscientização sobre questões de segurança da informação.

E-mails e mensagens instantâneas com phishing, golpistas se passando por funcionários de instituições financeiras e outras entidades importantes são os golpes mais comuns. No entanto, também começam a aparecer ações criminosas mais sofisticadas como, por exemplo, a clonagem de voz, onde os cibercriminosos, usando tecnologias de áudio, conseguem replicar a voz de uma pessoa. Esse particularmente é um dos golpes mais complicados de se detectar, devido à ausência de meios para confirmar a veracidade sobre quem está falando.

Com o avanço da exploração do uso indevido de dados, governos e instituições cada vez mais necessitam criar mecanismos para aumentar a camada de segurança, tentando, desta forma, minimizar os crimes. Contudo, a evolução desses crimes ainda é mais rápida do que os controles de proteção. Mesmo assim, uma parte significante desses golpes pode ser evitada com o uso de métodos atuais de proteção, os quais, quando devidamente configurados, permitem manter uma margem relevante de segurança das informações.

Conheça alguns métodos:

  • Na camada humana, se faz cada vez mais necessário reforçar a comunicação e treinamento. Sem essa preparação, as pessoas são alvos que podem ser explorados com muita facilidade;
  • A aplicação do conceito ZTNA em camadas como firewalls e redes ajudam a evitar um dos ataques mais devastadores do momento, que são os ransomwares (sequestro de arquivos/computadores/servidores);
  • Nos dispositivos como smartphones, computadores e notebooks, recomenda-se utilizar soluções avançadas de proteção do tipo EDR (Endpoint Detection & Response). Essas soluções utilizam Inteligência Artificial e podem detectar ameaças desconhecidas, baseadas em comportamentos suspeitos;
  • Desde sua concepção, os conceitos de segurança devem ser aplicados na construção das aplicações. Para reforçar o nível de controle, os estágios de desenvolvimento devem passar por validação de segurança nas etapas concluídas e não só no encerramento dos projetos de construção dos apps.

E mesmo com essas ações, é mais que necessário que um plano de continuidade de negócios seja estruturado, visando manter a operação funcionando mesmo em casos de ataques. Seguindo esse conjunto de ações, uma parte significativa das ameaças mais aplicadas no cotidiano pode se evitada.

Quer saber mais sobre proteção nas camadas citadas? Tire suas dúvidas e descubra as melhores soluções para o seu negócio clicando aqui.

Compugraf

Especialista em segurança de dados e certificada por parceiros reconhecidos mundialmente, a Compugraf está pronta para proteger sua empresa na era digital.

O que procura?